Relato de um torcedor.

23 de mai de 2011
“Bom dia. Meu nome é torcedor e estou há 29 dias sem ir a um jogo do Juventude.”

Embora este relato possa ter semelhança com alguns depoimentos, este, ao invés de trazer alegria, dá sim um nó no peito de quem compartilha deste sentimento. Trata-se de um vício saudável, mas que assim como outros vícios, causa abstinência. E só quem tem pra saber do que falo. Futebol, mais especificamente, nesse caso, o Juventude.

Quantos torcedores podem ser encontrados nos arredores do Jaconi por essa época? Não sei ao certo, mas algum você sempre vai encontrar. Seja aquele que bateu à porta da sede da Mancha, seja aquele que apareceu na sorveteria – ambos com a garganta coçando para soltar a voz – ou ainda aquele que aparece quase, senão todos os dias, na lancheria do clube, para ver se descobre uma novidade ou uma informação qualquer que alimente um pouco do seu vício.

Quem já teve o gostinho de assistir a tantos jogos no ano, não se contenta mais em esperar até julho, após o término do gauchão. Quer jogo que segue, quer já na próxima semana ter aquela sensação única novamente, e já há algum tempo, e de forma a cada ano mais cruel, que parecem querer testar o vício do torcedor.

Se isso for um teste, pode parar. Pode começar com a ascensão do meu clube novamente. Pode colocar o Juventude onde estava. Nosso vício já foi testado e, como se vê, não tem cura – como se paixão tivesse cura... – mesmo sem jogos acharemos outra forma de saciar nossa vontade, e aguardaremos firmes e fortes, até o tão esperado dia de poder ir ao Jaconi e se sentir completo novamente.

3 comentários:

  1. Mateus Cassina disse...:

    Pode ser que esse comentário meu surpreenda vocês, ou alguns, o fato é que estou ADORANDO essas férias, essa falta de jogos, essa "abstinência". Que maravilha. Ainda bem. Sem jogos, sem correria, sem aquela incomodação, aquele stress, aquele suor, aquela encheção de saco que acontece nos jogos, antes, depois.... Pode ser que a minha rotina nos jogos seja um pouco mais desgastante que a da maioria: Acordar cedo num sábado e/ ou domingo, ir no Jaconi, fazer força com aqueles tirantes, pendurar trapos, coordenar aquele bando, "faz aquilo", "não, fez errado! ali!", ensaiar, se reunir, discutir, insistir, cobrar, ouvir desaforo e muito, mas muito mais coisa que só quem tá na pele de uma liderança de torcida que precisa fazer mais da metade das coisas para o todo acontecer com um resultado (do tal bando) pelo menos aceitável sabe como acontece. Que maravilha esses finais de semana bem descansados, bem dormidos, sem barulheira e bla bla blá do teu lado, sem gentalha, sem encheção de saco, sem perdidos, sem desinformados, sem chatos, sem VERMES que só sabem olhar de longe inertes para depois falar somente e unicamente dos teus erros (nunca teus acertos, só teus erros), sem tudo aquilo que te faz pensar duas vezes em se manter comprometido com a causa que uma torcida como os Loucos da Papada defende. Que venham os jogos em julho, enquanto isso vou curtir a vida apaixonado por ela e por o que faz dela excelente, coisas estas que não se resumem somente ao nosso JUVENTUDE.

  1. Anônimo disse...:

    É uma que vocês tenham um espaço tão nobre e com tanta exposição como este, e atualizem o blog tão raramente... Sobre o post, acho que todos nos sentimos assim.

  1. Anônimo disse...:

    caralho, esse blog ficou massa! parabens CJ!!!!

Postar um comentário